Deployment kubernetes: aprenda como utilizá-los

deployment kubernetes
6 minutos para ler

Para quem trabalha com aplicações complexas de tecnologia, um ponto fundamental das rotinas executadas é a busca por disponibilidade. No caso das aplicações que rodam em containers, há uma alternativa simples para manter todos os recursos funcionais e em alto desempenho: os deployment kubernetes.

O uso de deployment kubernetes garante que os recursos sempre estarão disponíveis quando requisitados. Além disso, é possível reduzir o número de gargalos operacionais e de problemas que possam afetar a rotina dos profissionais de TI. Afinal, a equipe terá um ambiente mais fácil de ser controlado e automatizado.

Quer saber mais sobre o tema e como fazer o seu próprio arquivo para aproveitar os benefícios dos deployment kubernetes? Então, confira o texto a seguir!

O que são os deployment kubernetes?

O deployment é um conjunto de regras que moldam o modo como múltiplos containers sem identificadores próprios são distribuídos. A partir desses mecanismos de controle, o gestor é capaz de trocar automaticamente qualquer instância com problemas por uma funcional. Dessa maneira, é possível garantir que o usuário terá as suas ferramentas disponíveis em modo contínuo.

Cada deployment conta com um conjunto de regras que regula as suas funcionalidades básicas, facilitando a troca de instâncias sem que o usuário tenha problemas na usabilidade. Sempre que essa configuração é modificada, as alterações são replicadas para garantir que os processos continuem a ser executados.

Por que eles são importantes?

Os deployment kubernetes permitem que gestores de TI e profissionais da área definam quantas cópias de cada Pod serão executadas em um determinado momento, a partir de regras claras. Distribuídos no ambiente de TI, eles conseguem reduzir uma boa parte da carga de trabalho da equipe.

Afinal de contas, quando esse tipo de recurso não está presente, o profissional precisa criar, atualizar e deletar manualmente todos os pods do seu ambiente de trabalho. Com o deployment, isso fica mais fácil: basta criar um objeto dentro de um arquivo YAML para tornar todas essas rotinas automatizadas.

Quais são os passos para implementá-los?

Formular o seu próprio arquivo YAML para utilizar os deployment kubernetes não é um processo muito complicado. Bastam alguns comandos para as suas aplicações funcionarem de modo inteligente e seguro.

Veja o modelo que preparamos:

kind: Deployment
apiVersion: extensions/v1beta1
metadata:
 name: nginx-deployment
spec:
 # As especificações do deployment kubert 
 # precisam de apenas algumas configurações
  
 # 1. Número de cópias que você deseja criar
 replicas: 5

 # 2. Método utilizado para atualizar os pods
 strategy: Recreate

 # 3. Pods que serão gerenciados pelo deployment
 selector:
  # Importante: essa configuração deve sempre corresponder ao nome que foi dado para o pod
  matchLabels:
   deploy: exemplo
  
 # Configuração do pod que será inserida dentro das especificações do deployment
 template:
  metadata:
   # Configura o nome do pod.
   # Essa configuração é utilizada pelo seletor do deployment:
    deploy: exemplo
  spec:
   containers:
    - name: nginx
     image: nginx:2.0
     ports:
      -containerPort:81

No código acima, o termo “replicas” define o número de instâncias de pods que será mantido ativo pelo deployment. No trecho seguinte, o nosso arquivo definirá quais são os pods que fazem parte do deployment. Em outras palavras, indica para o sistema os nomes dos pods que devem fazer parte do processo de modo preciso.

A variável “template” é basicamente um modelo dentro das suas configurações. Sempre que o seu deployment for executado, são esses os dados que serão considerados pela ferramenta.

Por isso, cada ponto aqui deve ser preenchido com muito cuidado. No nosso caso em específico, o deployment executará os processos necessários para criar pods que executam o “nginx-hostmane” a partir dos nomes selecionados.

Para remover os deployments criados de um arquivo, basta utilizar o comando “kubectl delete -f nome-do-arquivo.yaml”. Já nos casos de deployments criados a partir da linha de comando, o processo é feito com o comando “kubectl delete deployment nome-do-deployment”.

Um deployment kubernete deve ser visto como um serviço?

Os serviços utilizam um conjunto de configurações para permitir o acesso a recursos de rede para um conjunto de pods. Já o deployment garante que esses pods se mantenham funcionais a partir de um modelo padronizado.

Ambos utilizam o nome dos pods para definir quais instâncias serão gerenciadas. Porém, os deployments podem ser utilizados de modo independente em comparação aos serviços — e vice-versa.

Isso dá muito mais flexibilidade para os profissionais de TI. É possível, por exemplo, criar novas versões dos deployments existentes e manter as atuais funcionando normalmente. Tudo isso, com a certeza de que todos conseguirão gerenciar as requisições feitas pelos serviços.

Quais vantagens o uso dos deployment kubernetes traz para o seu dia a dia?

Utilizar o deployment kubernete tem um impacto direto na qualidade da sua gestão de TI. Esse tipo de ferramenta traz para o fluxo de trabalho dos times muito mais foco nas atividades estratégias. Ao mesmo tempo, reduz custos e erros.

Entre os benefícios mais importantes, podemos destacar:

  • mais disponibilidade para os serviços — sempre que uma instância falhar, o gestor pode implementar uma nova rapidamente;
  • controle centralizado das configurações — um modelo simples pode manter a uniformidade das configurações em toda a infraestrutura;
  • mais segurança para o gestor — garantir que os recursos não tenham brechas será mais prático, afinal, as configurações terão alto nível de uniformidade; e
  • automação — novas instâncias podem ser criadas facilmente a partir de um modelo em comum, gerando ganho de produtividade.

Profissionais de TI devem ter um cuidado contínuo com a qualidade dos recursos que estão disponíveis na infraestrutura. Garantir que as funcionalidades fiquem disponíveis, seja na nuvem, seja no ambiente local, é um ponto-chave para evitar riscos e gargalos operacionais — ou seja, a boa performance da TI está diretamente ligada à competitividade do negócio.

Diante disso, gestores devem sempre estar atentos a mecanismos que tornam o seu dia a dia mais ágil, robusto e eficiente. Nesse sentido, o deployment kubernete deve ser visto como uma ótima alternativa para os profissionais garantirem que os seus containers fiquem funcionais sempre. Com eles, você pode reduzir gargalos e maximizar a disponibilidade.

Portanto, não deixe de investir em estratégias como o uso de deployment kubernetes no seu dia a dia. Desse modo, a tecnologia será levada a mais setores, sem comprometer a performance da companhia. Como consequência, a capacidade de a TI agregar valor aos serviços do negócio será muito maior.

Gostou deste post? Então, compartilhe-o nas redes sociais, para que mais pessoas conheçam essa solução!

Você também pode gostar

Deixe um comentário