Veja 3 formas de fazer sua migração de dados e não ter mais problemas 

7 minutos para ler

Muitas vezes, ao realizar o planejamento da implementação de um novo sistema, o foco fica somente nos requisitos funcionais. Não é incomum o gestor do projeto tratar a migração de dados de sistemas legados como apenas uma pequena etapa em um processo maior.

Esse pensamento pode se voltar contra todos e causar muitos problemas na execução, atrasos e até mesmo cancelamento do projeto, pois a migração de dados é um processo muito mais complicado do que se imagina.

Neste texto, veja quais são os principais métodos para a migração de dados e saiba como implementá-la no seu negócio. Acompanhe!

Quais são os principais métodos para fazer a migração de dados?

A migração de dados possui muitas peculiaridades, podendo ser transferidos para o novo sistema, ou precisar de transformações ou tratamentos. Assim, primeiramente, deve-se criar uma estratégia de ponta a ponta sobre como funcionará esse projeto.

Uma migração de dados é, por natureza, interativa. Entretanto, ela pode ter outras características que se adaptam melhor a determinado tipo de negócio, seja incremental, paralela ou para um destino específico — como a nuvem.

1. Migração de dados incremental

Se a intenção é que a migração seja feita separada em assuntos específicos, ela se torna incremental. Por exemplo, a migração de faturamento de uma empresa pode ser feita somente após os dados dos clientes serem transferidos, pois uma informação é dependente da outra.

É uma boa estratégia a ser seguida caso haja um prazo mais extenso para que tudo seja feito, pois é possível ter um controle maior da informação e criar casos de teste mais completos.

2. Migração de dados paralela

Quando há um cenário em que as informações não são dependentes entre si, é possível migrar diversos dados de forma paralela, com times separados trabalhando na migração.

Ganha-se muito tempo com esse tipo de migração. Porém, a fase de análise deve ser muito mais minuciosa, pois, caso passe algum tópico importante, pode-se perder muito trabalho já completado e criar atrasos ainda maiores.

3. Migração para a nuvem

Atualmente, é seguro afirmar que migrar os dados para a nuvem é a melhor estratégia de curto e longo prazo para a empresa. Lá, eles estarão acessíveis de qualquer lugar e o ambiente é propício para aceitar dados de diversas fontes e tipos, economizando em tempo de desenvolvimento nas tarefas que deverão ser realizadas.

Existem muitas soluções em nuvem no mercado, e mesmo as oferecidas pelas gigantes da tecnologia são acessíveis a empresas de qualquer porte. Com essas características, praticamente toda empresa existente utiliza desses serviços para guardar seus dados.

Qual é o passo a passo para fazer uma migração de dados?

Não existe um padrão a seguir. Porém, de acordo com a nossa experiência, acreditamos que há uma passo a passo que pode ajudar bastante a sua empresa a fazer uma migração mais segura e eficiente.

Com uma estratégia sólida para a análise, a equipe descobrirá todo o cenário atual e entenderá que tipo de intervenção técnica será necessária nos dados que serão migrados. Dentro desse passo, também entra o levantamento de requisitos e o desenho de como serão criadas e executadas as tarefas relativas à migração.

Após ter um desenho de qualidade em mãos, chega a hora de fazer a migração. É importante que haja muita comunicação entre todos os stakeholders, para que, caso um caminho errado seja pego, a correção de curso seja ágil.

Os testes entram como parte crucial para que o processo alcance o sucesso. Eles devem ser rigorosos e feitos por pessoas que tenham muito conhecimento do negócio para conseguir apontar problemas.

Identifique a real necessidade da migração

Quando falamos de migração de dados, estamos nos referindo a um processo de transferência de informações entre sistemas, formatos ou modelos de armazenamento. Geralmente, esse processo é executado quando há a fusão, cisão ou aquisição de uma empresa, ou até mesmo quando há a necessidade de substituição de um determinado servidor.

Por isso, o gestor deve analisar a real necessidade da migração, analisando de onde esses dados vêm e o que poderá ser mantido. Esse processo pode durar algum tempo, mas é importante que haja essa identificação. Somente a partir do conhecimento de onde se está, é que é possível traçar uma estratégia mais sólida.

Capriche no planejamento

Esse pode ser um processo longo e composto por várias fases, como a migração da tabela x ou validação da tabela y, por exemplo. Por isso, é importante que seja criado um escopo bem delineado, por meio de um passo a passo sólido, que garanta o cumprimento de todo o processo — que deverá ser dividido em algumas etapas, com atividades que gerem um crescimento exponencial a cada etapa alcançada.

Faça um diagnóstico

Fazer um bom diagnóstico é uma das principais etapas para uma migração segura e alinhada entre quem executa e o usuário final. Assim, será possível fazer as alterações em tempo real, as trocas de estruturas de tabelas e a remoção dos dados que não serão aproveitados.

Dessa forma, pode-se manter, trocar ou unificar as informações que não estiverem de acordo com o sistema em uso.

Atente-se ao alinhamento entre os sistemas

Outro passo importante da migração de dados é garantir o alinhamento entre os sistemas. Ou seja, não basta apenas ler e gravar as informações de um sistema de origem para o destino, é importante que haja o alinhamento para garantir as entregas finais.

Por isso, é importante que o profissional ou empresa responsável pela migração conheça o sistema em uso e consiga transformar as informações, sem que elas percam as suas características que serão utilizadas após a migração, como Bases, Médias e Históricos.

Faça testes

Para garantir que o processo teve sucesso, é importante que sejam feitos testes quantitativos, que criam selects e fazem a conferência dos registro que estão presentes na base de origem, comparando-os com o total presente na nova base. Outra forma de fazer essa conferência é por meio de um teste amostral, que consiste na seleção de dados aleatórios e na verificação da gravação e da semântica.

Por que é importante escolher uma empresa que entende do assunto?

Nem toda empresa, principalmente as médias e pequenas, pode contar com uma equipe interna que seja especializada em migração de dados. Nesse cenário, o ideal é contar com um parceiro que tenha um know-how nesse assunto.

Quando é feita com o apoio de uma empresa parceira especializada, como a IPNET, a migração garante a integridade e segurança das informações que vão para o novo banco de dados, permitindo a rápida disponibilidade do sistema.

A migração de dados definitivamente pode se tornar uma enorme dor de cabeça para o gestor do projeto e todos os envolvidos. Então, obter conhecimento sobre o assunto e tratá-lo com sua real importância vai trazer muito mais tranquilidade para a equipe e deixar todos preparados para realizar essa tarefa árdua, porém recompensadora.

Gostou de entender sobre a migração de dados? Entre em contato conosco e tenha um parceiro especializado para ajudar a sua empresa nesse processo!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-